terça-feira, 1 de setembro de 2015

Estranho e Extraordinário



Os Mortos Falam - parte 2

Os Mortos dão instruções

Em muitas ocasiões, o Dr. Raudive gravava uma pergunta pedindo às vozes que respondessem. O gravador era posto a funcionar e, após certo tempo, desligado. A fita era então repassada com o som aumentado ao máximo para conhecer a resposta dada.
Outro método, usado pelo Dr. Raudive e que foi ensinado pelas próprias vozes, é o de lentamente procurar no rádio uma onda adequada para as gravações. Assim que esta era encontrada, ouvia-se um sibilante agora! e o Dr. Raudive iniciava as gravações. Ainda hoje as vozes mostram franca preferência por essa forma de gravação, pois dizem que o microfone limita as possibilidades tanto de transmissão quanto de gravação.
Durante as gravações recomenda-se calma no ambiente e concentração por parte dos assistentes. As vozes explicam que a concentração ajuda o processo de gravação e “atrai entidades”. As conversas dispersivas e inúteis não agradam nem tampouco a descrença daqueles que assistem aos trabalhos, pois as ouvimos dizendo que “certas pessoas são inúteis à recepção”. Ouvimos, também, recomendações para que “desenvolvam as energias e as conservem”. Será que esse “desenvolvimento de energias” é equivalente ao desenvolvimento mediúnico?
Elas podem ver o experimentador e os que assistem aos trabalhos. Ouvem o que é dito, e respondem com inteligência às perguntas, mesmo que estas não lhes tenham sido dirigidas diretamente. Distinguem cores, fazem comentários sobre a “bonita cor” do oscilógrafo (é vermelha). Pedem para que as luzes sejam atenuadas, preferem a vermelha, que condiz com o que sabemos ser necessários nas sessões de efeitos físicos – penumbra ou uma luz vermelha fraca. Não gostam que se fume durante os trabalhos, pois se queixam da “neblina”, causada pela fumaça dos cigarros!

Durante a gravação os assistentes nada ouvem, pois as vozes dos mortos são inaudíveis aos ouvidos nus. Mas quando a fita é repassada com o som aumentado escutam-se ruídos rítmicos que se tornam, aos poucos, mais claros e compreensíveis. São “elas” falando e suas vozes lembram as “humanas”, pois têm timbres diferentes, masculinos, femininos e até infantis. Essa enunciação rítmica e a construção das frases recordam as fórmulas mágicas empregadas pelos feiticeiros africanos e mesmo certas línguas secretas. Cada sentença contem palavras de dois a seis idiomas diferentes, mas os vocábulos são encurtados, existem neologismos, faltam artigos, preposições e verbos auxiliares. Além do mais, são estruturadas numa gramática especialíssima.
Ouvindo-as repetidamente, observa-se que existem regras e características decorrentes nas sentenças, que não podem ser atribuídas à simples coincidência; cada voz tem uma forma inalterada de falar e certas singularidades na linguagem, que a identificam com a pessoa que ela diz ser. Essas características transparecem sempre que a voz conversa. Não podemos deixar de lembrar que geralmente conhecemos as vozes dos nossos amigos quando nos telefonam sem que seja preciso que eles se identifiquem. Há um timbre e um modo de falar que são seus. É o que acontece com as vozes.
Outro detalhe interessante é que a maioria das palavras, em cada sentença, está fundamentada na língua que o experimentador melhor conhece. Na Inglaterra elas falam o inglês.
As vozes se identificam pelo nome, profissão ou parentesco com um dos assistentes. O famoso “Jung” deu seu nome e disse que era um “psicólogo”. A irmã do Dr. Raudive identificou-se pelo nome e deu outros detalhes conhecidos pela família. Pessoa que em vida falava o francês, continuou usando muito o francês nas sentenças, lembrando os ouvintes que a conheceram antes de morrer, os fatos ocorridos em vida, na França. Não pode, pois, haver dúvida quanto à sua identidade. Elas dão provas de sua inteligência, pois não só respondem acertadamente como têm o dom da precognição, da retrocognição e conseguem ler os pensamentos dos que estão na sala. Estes são dons paranormais.




Extraído de Revista Planeta - fevereiro de 1974

5 comentários:

  1. Boa tarde querida Aline.. em vários filmes já vi tais métodos..
    o silêncio revela muita coisa, nos revela, revela o oculto..
    imagina as pessoas que tem este dom..
    uma benzedeira que ia era assim.. era o dia todo..
    por vezes os desencarnados são um verdadeiro grudi.. grudam na nossa energia e dai ng pode né... beijos e feliz sempre

    ResponderExcluir
  2. Olá, gostei muito do blog.
    Tenho um onde coloco minha poesias, podeira visitar?
    http://wordsbyalonelyguy.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. OI VC SABE O NOME DO ATOR QUE FAZ O TOMPSOM DO FILME UMA NOITE MALDITA???

    ResponderExcluir
  4. Boa noite querida Aline.. nunca mais tive retorno teu..
    espero que esteja tudo bem.. vê se aparece viu bjs meus doce amiga

    ResponderExcluir